Rola na Copa

Homenagem à atleta Mônica Tomaz
23.08.2017

Os campos da Copa Mercantil do Brasil sempre foram palco de muita rivalidade – no bom uso do termo. Na última sexta-feira, dia 18, porém, quatro equipes se reuniram no círculo central não em clima de disputa, mas de fraternidade e respeito. As atletas da categoria Mães dos colégios Batista, Magnum, Santa Dorotéia e Unimaster se juntaram em pensamento e oração para homenagear a amiga Mônica Tomaz, falecida aos 35 anos vítima de um AVC.

Uma faixa com os dizeres “hoje somos só um time” foi levada a campo pelas jogadoras do Unimaster e Batista, equipes pelas quais Mônica disputou a Copa MB. Todo o time do Batista também vestiu camisas que traziam estampadas na frente uma foto das jogadoras e, nas costas, o nome da homenageada. Muitas palavras de carinho e conforto à família foram ditas por colegas, explicitando como Mônica era querida por todos.

Confira um trecho da homenagem:



Samantha Miranda, amiga e companheira de equipe na campanha vitoriosa da 13ª edição da Copa MB, relembra características que diferenciavam Mônica. “Ela nos deixou uma lição de raça, amor e união. E foi o que aconteceu hoje: a união de todas as equipes para prestar essa homenagem tão bonita”.

Quando conquistaram o título, Samantha ganhou a bola do jogo, que veio gravada com o lema da competição daquele ano: "Um grande time formado por diferentes histórias". A relíquia foi assinada por todas as amigas de time e entregue aos filhos de Mônica.



Abaixo segue um texto assinado pela atleta Juliana Myrrha Gillis, da equipe de Mães do Colégio Batista.

Valores para a vida: reconciliação

No esporte, e bem claramente no futebol, revelamos de forma bem intensa quem somos, nossos valores e personalidade.  Podemos passar um tempo de convivência com alguém sem conhecê-lo verdadeiramente. Mas bastam algumas partidas de futebol para descobrir que aquela pessoa calma, depois de uma entrada dura, vira uma onça. E quando o jogo vale título, outros bichos surgem.

Convivemos há pelo menos cinco anos na Copa Mercantil do Brasil (categoria Mães) e experimentamos emoções intensas, positivas e negativas. Histórias bonitas e momentos feios já aconteceram naquelas quadras e arquibancadas e, com certeza, muitas lembranças nos vem à mente.  Há quem já jogou no Unimaster, Magnum e depois no Batista. Há também fiéis jogadoras como eu, que há 14 anos visto a mesma camisa. Vamos nos conhecendo dentro e um pouco fora das quadras também.

Mas esse ano, na 18ª Copa MB, algo novo aconteceu. A rivalidade, às vezes cega, deu lugar à amizade. A mágoa deu passagem para o perdão. A raiva foi substituída pelo abraço. E esse milagre foi motivado por uma trágica partida. Perdemos nossa amiga e atleta Mônica, que deixou um vácuo nos nossos corações. A morte faz as pessoas valorizarem o que realmente importa na vida e, desta vez, experimentamos na pele essa verdade. Tivemos, na noite dessa sexta-feira, dia 18 de agosto, um momento lindo de reconciliação entre todas as equipes, que depois voltaram aos jogos de uma forma diferente. Futebol limpo, com mútuo respeito entre as jogadoras, apoio das torcidas e não injúrias.  Fantástico! Que experiência nova e bonita! Que possamos nos lembrar sempre desse momento, para que, quando falharmos, reconciliemos de novo, e mais uma vez, e de novo.